quarta-feira, 17 de março de 2010

SABER SEPARAR-POLÍTICA PARTIDÁRIA E A POLÍTICA ESTUDANTIL

.

O envolvimento político partidário nos movimentos estudantis é defendido de forma velada. De acordo com conselheiro fiscal do Daec, Chaowiche Filho, se existe um interesse em melhorar a sociedade, existe um interesse, direto ou indireto, em política. Portanto, segundo ele, deveria ser natural para estudantes que estejam envolvidos com o movimento estudantil se filiarem a partidos.

Caio Pamplona, embora membro de um partido, defende a despartidarização do movimento estudantil. “O movimento estudantil tem potencial para ser um agente transformador da sociedade e formador de opinião. Partidos políticos podem representar nossa opinião e são importantes para o debate, mas interesses estudantis não podem continuar reféns de interesses partidários”. O vereador Stica concorda: “O movimento pode até ter pessoas filiadas, mas não pode ser extensão de nenhum partido”.

Essa questão de separação sempre foi polêmica, muitos dizem que os militantes podem se filiar a partidos políticos, sendo que os mesmos não misturem a política estudantil com a partidária, outros já discordam dizendo que a relação de partidos com o movimento estudantil é um problema, pois é impossível não evolver política partidária sendo que os membros são filiados á partidos. Já outros dizem que o movimento estudantil pode sim trabalhar juntamente com partidos, pois ambos trabalham a favor dos mesmos ideais.

AUTOR: Marcos Leite

marcosfariasleite@hotmail.com

Referência:

http://www.jornalcomunicacao.ufpr.br/node/7432

AddToAny