segunda-feira, 29 de março de 2010

TEM INÍCIO A CONAE 2010



.

Entre os integrantes da Comissão Organizadora Nacional da CONAE chamados ao palco na solenidade de abertura na tarde deste domingo, no Auditório Ulysses Guimarães, em Brasília, estavam Augusto Chagas, presidente da UNE, e Yann Evanovick, presidente da UBES. Eles foram saudados com entusiasmo pela platéia, repleta de estudantes de todos os cantos do Brasil.

Sou estudante, não abro mão, quero pré-sal para a educação!", cantou a juventude, reafirmando a bandeira das entidades estudantis que defendem 50% do fundo social do pré-sal para a Educação. Banners chamando a atenção para os pleitos dos estudantes brasileiros decoram o salão do auditório onde acontece o evento até a quinta-feira, 1º de abril. 
 
Construindo a história da Educação brasileira

Na cerimônia de abertura da I CONAE, o ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que o governo será um ouvinte no processo de elaboração do Plano Nacional de Educação. E afirmou aos delegados presentes: “os senhores têm uma grande responsabilidade sob os ombros, que é estabelecer as diretrizes do Plano Nacional de Educação e os parâmetros em que vamos nos mover para atingir tais diretrizes”. Segundo ele o governo quer servir de ponte para, quem sabe ainda em 2010, aprovar no Congresso o Plano Nacional de Educação para 2011 a 2020.
O Plano Nacional de Educação será debatido a partir de um documento-base elaborado por cerca de 400 mil pessoas que participaram de conferências regionais ao longo de 2009. Depois, o Plano passará por votação no Congresso Nacional e pela sanção presidencial.
O desafio é transformar o Plano Nacional de Educação em um plano de Estado, que seja continuado, independentemente das mudanças de governo”, defendeu em seu discurso Francisco das Chagas Fernandes, coordenador da Comissão Organizadora Nacional da CONAE, antecipando a luta a ser enfrentada em breve, após aprovação de um documento fruto de pensamento coletivo durante da Conferência.
Tornar o plano uma política de Estado, com compromisso de continuidade é meta que também foi ressaltada pelo deputado Angelo Vanhoni (PT-PR), reafirmando que o objetivo principal ainda deve ser a melhora da qualidade da educação. Vanhoni estava na mesa de autoridades na abertura, junto com os ministros Juca Oliveira (Cultura), Samuel Pinheiro Guimarães (Assuntos Estratégicos) e Antonio Roberto Lambertucci (Secretaria Geral da Presidência da República), as senadoras Ideli Salvatti (PT-SC) e Fátima Cleide (PT-RO). A parlamentar de Rondônia contou sua trajetória “como trabalhadora da educação” e defendeu os grevistas, afirmando que eles “lutam pela valorização de sua profissão”. Fátima Cleide completou que é preciso ainda entender a educação como ‘política emancipatória’ no desenvolvimento do país.
Ministro Haddad fez um balanço das ações de seu ministério no governo Lula, registrou os avanços e desafios. E finalizou afirmando “se quisermos levar a educação à sério, [o investimento] é da creche à pós-graduação”.

Antes do começo da solenidade de abertura da Conferência, servidores e estudantes da UnB (Universidade de Brasília) tomaram o local e,com apitos e gritos de mobilização, reclamaram de corte salarial. “Nossa luta unificou. É do estudante, funcionário, professor”, bradaram os manifestantes. Durante o discurso de Haddad, servidores efetivos do MEC fizeram uma manifestação pacífica em favor de um plano de carreira.

Fonte:

http://www.une.org.br/

AddToAny