domingo, 26 de dezembro de 2010

APÓS FESTAS, RUAS SÃO TOMADAS POR LIXO

Lembro-me da época de criança, entre os anos de 2005 e 2007, em Governador Nunes Freire, que os recicláveis rendiam um bom dinheiro. Eu e toda a piazada da comunidade juntávamos estes materiais para vender para uns comércios ou uns senhores que trocavam por salgadinhos, pipocas, etc.

Basicamente, eram coletadas latas de alumínio, utensílios domésticos (panelas e bacias) velhos de alumínio, vidro, entre outros similares.

Esta atividade de vasculhar as taperas em busca de panelas velhas de alumínio amassadas e ferramentas agrícolas quebradas de ferro enferrujado nunca precisou ser estimulada pela escola. Foi suficiente saber pelos mais velhos que tinha alguém que comprava ou trocava determinado material que a gente guardava.
A reciclagem do lixo, quer dizer, das latinhas de cerveja e das garrafas PET, é o assunto predileto da maioria esmagadora das escolas para trabalharem a temática ambiental.
Porém, em Nunes Freire, esse assunto nunca deve tanta relevância, pois além de não termos nenhuma empresa de reciclagem na cidade, o povo pouco se importa em reciclar o lixo. Um exemplo recente disso é o lixo que se acumulou nas ruas depois das festas de natal de anteontem (24/12).

As ruas viraram verdadeiros depósitos de lixos. E com as chuvas isso poderá ter mais problemas ambientais.

Vejas algumas fotos abaixo da minha rua (Coqueiro Verde, Centro):