sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

SETE CANDIDATURAS CONCORREM À PRESIDÊNCIA DO CONJUVE

Sete conselheiros se inscreveram para concorrer à presidência do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve). A eleição é interna – apenas os conselheiros votam – e o voto é aberto. A escolha acontecerá durante a reunião ordinária que acontecerá nos dias 14 de dezembro, em Brasília (DF). Todos os conselheiros titulares do governo e da sociedade civil podem votar.

Para se candidatar à presidente do Conjuve o candidato deveria ser conselheiro, representante da sociedade civil, e formalizar a inscrição através de envio de carta de apresentação por e-mail, à mesa diretora. Todas as inscrições enviadas foram aceitas e homologadas.Para ser eleito, o novo presidente – ou presidenta – deve ter 50% mais um dos votos válidos. Caso não haja vencedor haverá segundo turno entre as duas candidaturas mais votadas.

Concorrem Ângela Guimarães, da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO); Gabriel Alves, do Centro de Cultura Popular (CPC); Gabriel Medina, do Fórum Nacional de Movimentos e Organizações Juvenis (FONAJUVES); João Marcos Vidal, da União Geral dos Trabalhadores (UGT); Josbertini Virginio, da Empreendedores de Sonhos; Luciana Martinelli, da ARACATI – Agência de Mobilização Social; e Samoury Mugabe, da Articulação Política de Juventudes Negras (APJN).

Saiba mais sobre as eleições no Conjuve

O Conselho Nacional de Juventude é tem caráter híbrido, ou seja, é composto por entidades da sociedade civil e por representantes do governo. O processo de habilitação de entidades da sociedade civil para participar do Conjuve é feito através de um edital público, divulgado a cada dois anos. Os representantes do governo são indicados pelos respectivos órgãos para mandato de dois anos.

Após a posse das entidades é feita a eleição da presidência para mandato de um ano, respeitando a alternância entre representantes do governo e da sociedade civil.

O atual presidente, Danilo Moreira, representa a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), — órgão do governo –, e terá mandato mais curto que os anteriores. A decisão de antecipar a eleição do próximo presidente foi da SNJ, que informou ao Conjuve na 4ª reunião extraordinária, realizada nos dias 8 e 9 de abril; e teve como principal objetivo fortalecer a sociedade civil já nos primeiros momentos do novo governo, que assume em 1º de janeiro de 2011.

As normas para eleições no Conjuve são orientadas pelo Decreto 5.490, de 14 de julho de 2005 e pelo Regimento Interno, aprovado em 2005 e retificado em 2007. Outros critérios foram debatidos e aprovados na última reunião ordinária, que aconteceu nos dias 7 e 8 de outubro.

Ascom/Conjuve